quinta-feira, dezembro 11

Burlesque

  1. Um rosto, um gosto.
  2. Definir coesão e entrelaçar belas palavras, viver de dinheiro - verde e cobiçado. Sorrir e mentir que sorriu só para ter menos mentira dentro de outros sorrisos. Mandar gritando, rir da cara de alguém porque sentiu vontade. Fingir que acha que sabe que sua vida é decadente, fazendo dela sorridente sem mesmo notar que ela não existe. Tentar rimar palavras só por achar que a graça vem dos olhos de quem lê.
  3. Intimar com arrogância a engolir sua presença insuportável, esquecer que a morte é certa - marca na testa, nas coxas e nos lábios. Viver sua vida inventada - sonhando em ser apenas um centro a se conhecer, pisar no chão como se ele fosse você.
  4. Comprar uma modelo.

quarta-feira, dezembro 10

Ante Meridien

Sorri para o garoto da venda ao lado, sempre ouço seus gritos de madrugada, lamentando uma perda - talvez pudesse ser divertido tê-lo por perto.
Vi os furtos e trapaças mas deixei passar. Eu estava cercado disso, embora tivesse um sorriso cândido quase fluorescente. Os becos da Princess Street estão vomitando redenção. Isso é um pesadelo para meus negócios - esteve ruim, mas o tempo deu aos Galtieres fuga e domínio.
Ouvi de uma freira, outrora, que o garoto da venda estupra pequenos animais. Disse-me também que ele tem volúpia por homens casados e arrematou seu depoimento jurando que ele tinha um pacto com o demônio. Mas nunca ouvi os católicos, afinal, por eles eu estaria queimando.
As luzes deste lugar - não há como viver sem elas. Um só instante, quando os semáforos abrem e fecham, os carros com seus faroletes, o relógio das horas viradas. Talvez seja esse o motivo do garoto, não sei.
Comi uns hamburgueres sem pensar no futuro. Não penso nisso, nem nos meus sonhos mais profundos pensei.
Eu ri quando ele me chamou de Justine - Meu nome é King cara!
Ele era intuitivo e muito perturbado, talvez ele gostasse mesmo de pequenos animais.

sábado, novembro 29

Siamês

  • Sente isso? - Talvez.
  • Me dá dois cigarros! - Acabou, quer um café?
  • No parque tem bons ângulos. - Não.
  • Sete e oitenta. - Kerouac.
  • Ballantines acabou! - Marfim.
  • Está doce! - Garrafas cor-de-laranja.
  • Defecou aqui! - Diamantes são os melhores amigos.
  • Velas podem sumir. - Esquina triste.
  • Beijos? - Sangrou toda a noite.
  • Luzes de natal. - Medo da morte.
  • Cravos e canela. - Vadia!
  • Vistos onde? - É mentira.
  • Sapatos de couro. - Pesquisa de campo, mais tarde.
  • Ele riu! - Ele está dormindo a meses.
  • Embora. - Fútil!
  • Arranca? - Dois sorrisos.
  • Sonhei - Onde poderíamos morar além.
  • Do que está falando, hein? - No final descobri.

quarta-feira, novembro 26

Mais 24 horas.

- Estava com aqueles vadios novamente, imaginei.
- Justine, tente ser compassiva, ao menos um instante, fazem duas semanas que você não toma seus remédios. Olha o breu lá fora, não percebe, você está fodendo conosco, tudo sobre nós é um álbum de fotografias. Eu tenho estado ao seu lado, mesmo contrariado, mas eu não estou aqui? Então que diabos você quer mais!? Você está magra, seus olhos estão quase apodrecendo.
- Eu não sei, mas pense em mim. Tenho trabalhado tanto, deixei de comer para pagar aquela maldita clínica - você vendeu tudo que eu tinha, que nós tínhamos. Não faço ideia do que você coloca para dentro, deve estar entupida. Está, eu percebo.
- Não acha que sua tragédia deveria terminar? Merda! Me encare um instante, sua vadia.
- Estou indo Justine, se é isso que quer. Meu número está ao lado dos Skittles.

- Eu vou até o inferno buscar você, droga.

segunda-feira, novembro 24

REC.

- Estas cores todas são boas para seus cabelos, talvez se você escolhesse logo poderíamos comprar o lexontan e cair fora, você tem que se decidir, rápido.

Diferença é só detalhe, você corre como deve, mas não sabe porque. O programa registra farmácia, e você entra lá, consome e já era. O programa marca sonhe e então você faz. Gravação de atos por pressionamento sem indagação, você não precisa pensar quando não quer.
Requisitar não é tão importante, encontre quando quiser, droga.
Pinte o cabelo de violeta, não espere, não pense. Vá para a rua, grite e assuste os programados, só pare com essa obsessão.
Pare logo, rápido - mais rápido.

domingo, novembro 23

Toros muertos.

Morremos, vezes a nós, vezes à desconhecidos que casualmente dividem um lugar conosco no metrô. O sentido não deveria ser fonte não. Quer-se toda a vida que tem, quer-se consumir os sopros de centelha, chamas de vela.
Símbolos, números, círculos, estrelas - meios de possessão, para você marcar sua vontade em algum lugar do espaço. Não me recordo de nada mais doce que o vento sorrateiro que te surpreende. Os toros que são mortos, por motivos ineptos. Você que é morto por estatísticas. Eu que sou morto por dizer o que eu quero dizer. O que nasci para dizer. Esquecimento de intuição, de trabalho, de atenção. Perda.
Quer dizer que não diz, só um móvel no canto do antiquário - foi vivo e moldou-se, para um estado, triste.

Art - Death and Life - Gustav Klimt

sexta-feira, novembro 21

Escarlate são

Os mais belos romances, sempre terminam antes que se perceba. Os desejos de agora, do imediato, sufocam qualquer sutileza, sim, sufoca mesmo.
Doce, profundos e duradouros - parece tão empático que imaginar, é como insultar o próprio bom senso.
Pense nos solos áridos do México, em sua escaldante temperatura, os tons alaranjados que nos embriagam de abandono. Não é melhor que isso, nem um pouco, o que pensamos ser amor.
Eu gosto de falar com todos, porque falo comigo mesmo. Enquanto escrevo, me torturo por não me ouvir. Não é uma regra, só um traço ignorante.
Este verão, este sol, esta seca. É aqui que vivemos quando desejamos. Transpiro muito quando não tenho coragem de dizer que sonho com alguém. Recomendo sinceridade, mesmo que seja constrangedor.
Gosto de sentir só um tipo de calor, aquele que é gerado do atrito de minhas genitálias com a de alguém. Quanto à todo o resto, procure mais oásis - porém, cuidado com as miragens.

quinta-feira, março 27

Derrotados

Intimamente, estou usando a mais simples linguagem hoje, para mostrar que não sou nada muito além de alguém normal e derrotado como todos.
É verdade, eu escrevo as coisas sem rimas ou fantasia também. Sem beleza nenhuma, pois, não há beleza em tudo. Confiem em mim, sei bem o que é derrota. Seria conveniente não fazer esse texto e continuar me deleitando em alguns sonhos. Mas não dá, eu não quero não.

"É eu perdí, está certo, tenho que me conformar e parar de sofrer."


Quanto tempo demoramos admitirmos isso?
Sabe, as perdas são definitivamente as piores dores. Em um relacionamento, por exemplo, você ama teu parceiro(a) e ele diz te amar, mas se entrega na primeira dificuldade e te deixa.
O que isso tem de perda, você deve estar se perguntando não é?
Parece só um termino de namoro e nada mais.


Então tá, vamos falar de expectativas:
Alguém pode acreditar cegamente em suas palavras, porque, anteriormente pode ter sido iludida, mágoada, abandonada e pode estar procurando se dedicar ou estar contando com você para o futuro.
São tantos "porques" e mesmo assim não fazem muita diferença, uma vez que prevaleça só um sentimento: amor verdadeiro. Sim, você amou e perdeu!

Não pensaram, se isso te faria sofrer, se você amava mesmo. O que importa agora é que vai ter que se conformar e aí mais um porque!
Porque você não tem nada a fazer, está além da sua escolha, muito além, está nas mãos de terceiros, quartos, quintos e até sextos. Mas nunca nas suas!

Meu simplório conselho é: Não tome-se por hipócrita, não quando tudo está sendo dito as claras. Está doendo, eu sei dói em mim também, mas acredite, dizer que vai dar a volta por cima, que foi melhor assim e blábláblás, não né!
Admita para sí mesmo, não tem nada a se fazer, não vecemos a todo tempo, isso é impossivel. Ser melhor é admitir e por pior que pareça se conformar que perdeu o que amava. Se estava dentro de suas possibilidades e você mesmo assim deixou ir, desculpe-me mais é muita burrice, diga-se de passagem. Porém, se você fez tudo que pôde, feche os olhos e crie forças para resistir, mas não minta. Não para sí mesmo, porque se você o fizer, não estará mentindo de fato, estará só alimentando mais dor.

Isso tudo está bem irritante e parece bem batido também. Então só leia quando for um derrotado. Garanto, vai fazer algum sentido.
Não se envergonhe, derrota é um estado, não uma eterna condição, acredite, um dia ela chega para você!

domingo, março 23

Em dez minutos, neon

Surdos. Estavam surdos. Eles estavam rasgando-se, não que eles já não estivessem abertos, mas o faziam com descaramento, vontade de contrariar as leis da física e ocupar o mesmo espaço. A luz era só um instante, um detalhe que excitava. Cores derretidas naqueles corpos suados, dois jovens sem sexo. Contraídos, era mais de quatro e quinze ou talvez o tempo estivesse morto. Definitivamente eles pulsavam, quem eles eram afinal? Dois corpos que não se conhecem, estranhos sem rosto, duas bocas e era só. Aquele gosto enferrujado, riscado em suas linguas. Em alguns instantes pude ouvir os dentes se colidindo, eles queriam mais. Um tinha medo, era cauteloso e estranhamente parecia duvidar de suas próprias duvidas. Outro tinha pressa, tanta que sufocava-se dentro dela. Disse-lhe: Venere loucamente, erroneamente. O que eles querem de nós? Segundos de colidição, um atou as mãos do outro. O gênero esta errado eu sei, mas aprendí desde a infância a masculinizar os pronomes. Insisto, o que eles eram?

Não sei te dizer, eles se querem e não sabem. Um paradoxo sem vertentes, o mesmo paradoxo. O mesmo. Mesmo. Elas ou eles eram definitivamente um ser só se masturbando, em público. São demônios andróginos sem livre-arbítrio. São gêmeos.

A dor deles era não saber nem mesmo o que faziam, por que eles não faziam nada, só imaginavam. Um não quer nada e nem ao menos sabe que não quer, outro quer mais do que pode imaginar e mente em silêncio. Eles se odeiam e morrem de nojo, tentam entender a ausênica de sentimento. Os lábios parecem intímos e ainda parecem pré-destinados à aquele ato.
Eu tinha dito, eles não tem livre-arbítrio.
Eles são um só.
São um só.
Um só.
Só.

quinta-feira, fevereiro 28

Diz

Eram Infinitos.
Vinte e cinco medos, pavores e demônios me estupraram.
Senti minha sanidade. Ou o que restou dela.
E assim adormecí novamente, novamente e mais.
Eu precisei de algumas horas para entender, olhei meu reflexo e ví, alguém fracassado e insistí olhar mais profundamente. Não podia ver muito além da pele áspera e do negro dos olhos.
O que eu queria?
Que sentissem pena de mim, talvez, ódio. Não queria ser notado e com a mesma vontade queria ser o eterno foco de todos, até daqueles que mal sabiam quem eu era.
Definitivamente auto-piedade, falta de carácter e uma covardia que não tinha o menor cabimento. O menor, o menor se quer.
Me abraçe e entenda que não dá para me compreender, isto é, simplicidade é a mais complexa conclusão que se pode tirar de um fato isolado.
Nunca estarei pronto para amar, pois eu nunca saberei a tal hora, a hora se faz e se vaí, independente de nossa percepção. Não sei se já amei e se vou amar. E amor poderia ser chamado de útopia, isso porque criaram um significado tão absurdo para ele que nem mesmo o sentimento se cabe.
Me dê chá quando me acordar, assim poupará uma agitação que o café, concerteza me despertaria. Me dê sonhos, sonhos e mais sonhos, não os de padaria, me dê aqueles lá, que você insiste em acreditar, talvez você não saiba. Então tá, vou te contar, sonhos não existem!
Não se assuste, é verdade! O que é tão sereno é o ato e não o sete.
Quando entrar, tranque a porta, ainda sim prefiro ser quadrado e medroso.
Quando entrar, traga consigo só vontade, sim eu vou me contradizer agora, nós vamos nos amar.


segunda-feira, fevereiro 25

Cositas e mas más.

Estou eu cá, para vocês, sem temas a pautar.

O tema a pautar é a falta de um, ou melhor este que vos fala/escreve. O longar vai se encaminhando. Óra vamos, não é uma queixa, ainda não! Queria dissertar sobre tantas, ainda abrirei um "time-out" para minhas malucas idéias e renovar os ares tão ciclicos e nada verdejantes desta "web page".

Aproveitanto oportunidade singular, de veras tenho que dizer, está à mais vozes fora que dentro. Então lá vaí: Não posso acreditar que existam enormes percentuais de negros a aderência de movimentos skin heads; Punks libertários e esquisofrênicos que acreditam que anarquia é baderna; Empregados assalariados conjugês de outros empregados de posto maior, que acreditam poder "furar-os-olhos" dos outros só por tal posse; Idiotas que coçam as mãos e fazem o infeliz comentário: "guarda que é dinheiro!"; Assaltantes que insistem em jogar-se nas vias do metrô em horario de pico, parando assim toda a cidade em respeito a um delinqüente; O equivoco propositado de Pedro Bial referindo-se aos "BBB's" como heróis, levando em consideração o fato de que ficar confinado em uma mansão localizada em pleno "Projac" com festas, mídia, bundas e abdômens seja mesmo um ato heróico; Especular a singela inocência dos leitores de Dan Brown, que após lerem o DaVinci Code, acreditaram estar mais culturados; Não acreditar ainda que as crianças-pré-adultas procurem pedófilos; Que exista uma música chamada Créu (vide conteudo); Que jovens, estes como eu, suicidem-se somente por buscar uma merda de padrão imposto por um bando de viados, que ganham milhões para desenhar um croqui e projetar um "vaso de flores" denominado criação ou tendência, pra um marca gados chamado Gucci; E ainda não posso me conformar como podem transar sem preservativo; Iludir e fanfarrear com a vontade do teu próximo; E acharem mesmo que Paulo Coelho é fantástico!

O que que é hein?
Virou festa merrmão?

A te catá!

sexta-feira, fevereiro 15

Cenário emudecido

Duas rosas vermelhas, uma única certeza e algumas lágrimas não-derramadas.

Os dois caminhavam zombando de sí mesmos, de suas hipocrisias e defeitos. Eles, caminharam através das ruas, machucando seus pés cansados com o piche quente do asfalto. Logo, se calando leram com displicência na muralha de um pesadelo: "Eu tenho medo do mesmo". Chamava-se
Consolação e assim mergulharam nele.

Não sentiram medo, nem êxtase. Nem o calor que os rodeava, nem as infamidades pareciam ter graça. Estiveram lá, com o tempo e corações parados, na memória de pessoas que jamais viram. Elas eram deles.
Suas mães e pais, amores e devaneios, seu passado e finalmente sua sentença: "breve, estaremos lá, junto a eles".

Um dia prometeram, chorar todas as dores e todos os dias tristes de quem não vive.

E emudeceram-se ao ler:
"Aqueles só morrerão, quando os que os amam em vida lhe esquecerem"

Amém.

sábado, fevereiro 9

Dias ausentes vividos intensamente distonantes

Preciso de tempo em demasia, precisamos de anos inteiros...
Nossa média de oitenta anos me diz que sentimentos são realmente dons adquiridos pela inteligência. Como nós, conchas fragéis podemos portar todas as águas do oceano?
Definitivamente não há nada que poderia ser interpelado, somente que prefiria não ter dispertado esta manhã, a verdade nos faz morrer.

Entende como sentir não é melhor que pensar!

Seu existir me distoa, me faz seguir uma resonância de fragmentos e sibilar em silêncio.
Dai-me o sentido.

[Eu não moro mais em mim]

segunda-feira, janeiro 28

A crise do gentil

amar amar amar mara aram rama amar amar amra mraa raam aamr amra amar amar a m a r r r r m a m m m m aaar

Amar AMar AMAr AMAR
AMAR aMAR amAR amar

a-a-a-a-a-m-m-m-m-m ammm amm am a. rrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

ama-r-ama-m-ama-a-ama. amar 1 amar 2 amar 918739302

amar sómente
sómente amar

"...são os amores que tenho por minha mãe e pai, por meu irmão, por aqueles que faleceram, por aqueles que me abandonaram, o que sinto por mim mesmo, os que sentí e perdí e os que eu nem se quer cheguei a descobrir, amores amigos e quase fraternos, amores quentes e amores utópicos, amor que sinto pelo que odeio e odio que sinto pelo que amo e até mesmo amores que tenho por ainda não te amar como eu queria..."

terça-feira, janeiro 22

"Abra los Ojos"

Não chore, tão pouco se perca em lamúrias e pesares.
Se não há mais caminhos, os invente.
Isto é ser racional!

quarta-feira, janeiro 16

Mmmm

Há resonância entre momentos singelos e a criação do universo?
Sim, há!

Precisa-se de patrulheiros universais para os cargos de laternas verdes.
Não seja nojento, ame a teu próximo como a tí mesmo (vide bíblia), não se importar com a opinião segmentada de alguns, é plausível, mas esquecer que todos nós iremos calgar para o mesmo destino é fraco de sua parte.

Não quero que o mundo esteja a salvo, só que as vias públicas estejam limpas, que nossas árvores continuem existindo para que haja quem mije nelas e que mesmo que você esteja querendo correr daquele mendigo extremamente inconveniente que mora na sua rua de trás, dê a ele cinco minutos de sua atenção, talvez a vida dele não seja tão facil/confortável quanto a sua, pois não traçamos como objetivo viver sem rumo. Assim quando for reclamar do antro sub-tropical (vide país) em que vive, dos senhores "nozes" que estão no senado e todo o resto, alguém queira mesmo lhe dar cinco minutinhos de atenção, pois para eles você não passa de um mendigo!

GREENPEACE-TERRORISM

sábado, janeiro 12

Desejo veemente de possuir

INVEJA!

Quase um demônio mitológico. É interessante suas vertentes e como reagimos abstratamente a essa questão. Sejamos claros, abominamos o fato de ser invejado e condenamos este ato, como um pecado de caracter mortal. Onde estão as tais heresias nisso?!?

Assim como gostamos de apontar o dedo na cara de todos, proporcionalmente, temos memória muito conveniente ao que nos cabe. Serei mais claro, nenhum ser está disoluto ou abstraído de sentir cobiça (ou inveja, como queiram!). Seus desejos estão completamente fora do que tem em mãos! O que se é ou o que se tem, pode satisfaze-lo mas tão rapido terás a necessidade de mudança e acorrentado a isso, há alguém que esta na condição exata que você queria estar!

Meus argumentos não são para lhe convencer, cada um com sua cegueira-opcional, mas fatos estão aí nada a se contestar, acredite, hipocrisia demais engorda!

Me peguei num ato extremamente invejoso, certa dita. Estava a cobiçar relações, comportamento, tendências e todo o resto da vida de um amigo (se é que posso considera-lo assim). Minha mente não parava de imaginar-me em seu lugar e como isso me daria intenso prazer. Não tenho problemas com os meus pecados, gosto de decadência, isso faz parte da "ser-humanisse". E assumi-los tem duplo-beneficio, me faz ter mais proximidade com o que minha concepção acredita ser decência e prova que não sou o unico invejoso nesta "porcaria"!

Venha cá, tem certeza mesmo que é "merchandise"?
Simples e correto, nada de mascaras queridos, o que chama atenção na nossa faminta era contemporanea é o "reality"! (PS: I'm Not american dude, ok?). Estrangeirismos a parte, chupem estas delicias contidas no videoclip a seguir - um perfeito resumo de tudo que foi dito - I'm perfect!


sexta-feira, janeiro 11

Escapes delíciosos

Todos fugimos e eu também tenho minhas fugas, dentre tantas as quatro principais.

Placebo: "Proteja-me.
É a doença do momento
A epidemia que se estende
A festa está acabada nós descemos
os pensamentos que congelam a razão
Pálpebras fechadas, rostos cinzas
surgem os fantasmas de nosso leito
Nós abrimos a fechadura da grade
do pardieiro que chamávamos de casa"

Girl, Interrupted: “Ser louco não é estar quebrado, ou engolir um segredo sombrio... É ser como você ou eu... amplificado, se você já contou uma mentira e gostou, se alguma vez já quis ser criança para sempre. Elas não eram perfeitas mais eram minhas amigas e nos anos 70, a maioria já tinha saído e vivia sua vida. Algumas eu revi, outras nunca mais. Mas não passa um dia sem que meu coração as ache."

Piercings and Snakes: "Split Tongue"

V for Vendetta: "Pelo poder da verdade, eu enquanto vivo conquisto o universo"

terça-feira, janeiro 8

Umas mentiras

Uma calçada molhada com as luzes dos postes refletindo o chão. Uma velha caminhando com sua bengala vinho sob o paralelepipido escorregadio.

Ela pensa nos remédios que terá que tomar quando chegar em sua casa, uns seis ou sete para suas enfermidades. Cansada de se locomover e de ter tantas lembranças, a vida passou e não lhe restou ninguém. Avista um homem sentado a fumegar algo qualquer, lembra-se de seu primeiro marido e suas manias irritantes.

Continua cansada, sente que será sua última caminhada pelas noites a fugir de seu cárcere privado e você sabe bem o que vai acontecer. Sente que vái terminar doloridamente lhe pregando uma boa lição de vida.

Não vai terminar assim, a velha não chegou a lugar algum ela nem se quer morreu, ela nem chegou a existir de fato. Você esta se deparando com minhas fábulas imaginarias baseadas em dor e realismo. Agora quem me garante que esta velha não adquiriu vida enquanto você a imaginou, nos segundos que você a visualizou ela teve vislumbres de consciência. E por mais que isso não signifique nada, ela sempre viverá dentro de sua mente que, somente arquivará isso e daqui a instantes enfiará esta lembrança dentro de qualquer lugar que você nunca possa encontrar.

Pense, ela viveu dentro de sua vida e sub-existiu dentro de sua inconsciencia!
E quanto a mim?

Ainda não vivi em consciencia nenhuma além da minha própria.
Me dê alguns segundos dentro dela?

"Acho que te vi em uma sorveteria
Bebendo milkshakes gelados e longos
Sorrindo e acenando e olhando tão gentilmente
Acho que você não sabia que estava nesta canção..."
Five Years - Placebo

domingo, janeiro 6

A cura

Sente irrefutavel dor, dores contrativas e agúdas, dores vindas de todos os tempos e distâncias.
Dores das mães dando a luz e perdendo seus amados filhos.
Dor simples de perda, esta que sente quando não encontra seu CD predileto ou seu selo da sorte.
Dor de ser multilado, ardendo suas víceras, parte de sí.
E quando esta parte de sí vive em outro ser?

Assim não se tem como impedir ou vigiar para que não percam. E quando seus amores perdem-se?
Nada nos fará encontrar aquilo que incialmente víamos. Que dentro do silêncio de cada ato seja instaurado doce aliança. E assim a cura não existirá.


[Claude Oscar Monet - Nenúfares]
Setenciem-se assim como ele nos faz querer sentenciar, assim como eu mastigo delicadamente cada parte de suas pinceladas.

Perder é inevitável, feche suas percepções e não se permita sofrer

Dos eficazes

  • "Rico, de nada há servido as suas riquezas. Novo Plutus, como bem diz um escritor, vive no meio delas sem poder utilizá-las. Não há país onde se fale tanto...
  • Recentemente o Governo Federal lançou a campanha “Vai ter Copa” nas redes sociais. Governo e seus apoiadores imediatamente começaram a produzir artig...
  • Aquele cansaço incomum resolveu,enfim, abandonar o meu corpo. Desde a minha primeira caminhada, senti uma certa renovação. Mas será mesmo que estou curad...
  • Medo de amar? Parece absurdo, com tantos outros medos que temos que enfrentar: medo da violência, medo da inadimplência, e a não menos temida solidão, que...
  • Existe uma terra perdida, no meio do nada, chamada por muitos de Deserto Maldito. Chamam-no assim porque, apesar de lá existir várias árvores e um grande l...
  • Quem nunca teve?! E os temas são os mais diversos, dependendo do gosto (trauma) do cidadão... Os termos é muito legado à BDSM (Bondage, Dominação, Sado & M...
  • O amor é uma espécie de preconceito. A gente ama o que precisa, ama o que faz a gente se sentir bem, ama o que é conveniente. Como pode dizer que ama uma p...